A cor verde piscina ganha destaque no mês de janeiro como parte da campanha que tem o objetivo de conscientizar e alertar a população feminina sobre a prevenção do câncer do colo do útero. Terceiro tumor mais frequente e a quarta causa de morte de mulheres no Brasil, todo ano, 5 mil pessoas do sexo feminino morrem vítimas do câncer do colo do útero no país.

O vírus HPV é a principal causa do câncer do colo do útero e é transmitido durante a relação sexual, no contato direto com pele ou mucosas infectadas. O uso de preservativo ajuda a diminuir o risco de contaminação e exames de rotina são capazes de rastrear lesões iniciais. Mas a prevenção mais efetiva é se vacinar contra o HPV. A vacina está disponível na rede pública e é indicada para meninas de 9 a 14 anos e meninos, de 11 a 14. São necessárias duas doses. A falta de informação é o principal motivo da procura tão pequena pela vacina contra o HPV, principalmente na segunda dose. Homens e mulheres adultos também podem se vacinar, mas em clínicas particulares.

O câncer do colo do útero tem o desenvolvimento lento e, em fase inicial, costuma não apresentar sintomas, por isso é importante consultar o médico ginecologista periodicamente e realizar os exames de rotina anualmente.

O diagnóstico compreende a realização de exames como citopatologia (estudo das células do organismo com auxílio de microscópio, chamado de exame Papanicolau), colposcopia (exame feito com auxílio de um colposcópio, que amplia o órgão de 4 a 50 vezes, com o objetivo de procurar alterações no epitélio que recobre a vulva, vagina e o colo do útero) e biópsia (procedimento no qual se colhe uma amostra de tecido da região a ser analisada por um médico patologista).

O câncer do colo do útero tem cura, especialmente quando ele é diagnosticado e tratado precocemente, ainda em suas fases iniciais.

A campanha Janeiro Verde, da Sociedade Brasileira de Cancerologia e que tem o apoio do Instituto Solidário e da Direção do Complexo Estadual de Saúde da Penha, existe exatamente para que se invista na prevenção. É possível evitar uma doença grave com um gesto simples da vacina. Vacinar é um ato de amor.