Com o objetivo de promover a sensibilização de toda a equipe hospitalar para o início da identificação e paliação de pacientes no Hospital Estadual Getúlio Vargas e UPA Penha 24h, de forma digna e humanizada, aconteceu na manhã do dia 11 de setembro o 3° Encontro do GT de Cuidados Paliativos do Complexo Estadual de Saúde da Penha.

Segundo a definição da Organização Mundial da Saúde (OMS), revista em 2002, Cuidado Paliativo é “uma abordagem que promove a qualidade de vida de pacientes e seus familiares, que enfrentam doenças que ameacem a continuidade da vida, por meio da prevenção e do alívio do sofrimento. Requer identificação precoce, avaliação e tratamento da dor e outros problemas de natureza física, psicossocial e espiritual”.

O Cuidado Paliativo não se baseia em protocolos, mas em princípios. Não se fala mais em terminalidade, mas em doença que ameaça a vida. Indica-se o cuidado desde o diagnóstico, expandindo o campo de atuação. Não se fala, também, em impossibilidade de cura, mas na possibilidade ou não de tratamento modificador da doença, afastando, dessa forma, a ideia de “não ter mais nada a fazer”. A abordagem inclui, ainda, a espiritualidade entre as dimensões do ser humano. A família é lembrada, portanto assistida, também após a morte do paciente, no período de luto.

O Instituto Solidário e a Direção do Complexo Estadual de Saúde da Penha apoiam as ações do GT de Cuidados Paliativos do Hospital Estadual Getúlio Vargas e UPA Penha 24h.